terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Escrava construída

Sou fruto da tua construção...


Fui feita silenciosamente, dia a dia, com a precisão
da tua Engenharia...
Minha mente e minha lógica, previamente estudadas,
transformaram-se em cálculos e fórmulas de um projeto
a que chamastes de "escrava em construção".
Deletaste a palavra "renúncia" da minha mente. No
lugar dela colocastes "unidade", porque querias uma
escrava/parceira que nunca perdesse a individualidade.


E nesse momento a primeira regra era escrita:
"Te proíbo de te anulares, te quero pensante."
Depois era a vez da palavra "adoração" ser
deletada e substituída por "admiração"
E nesse momento aprendi que assim como as
escravas, os Doms também têm limites,
fraquezas e erros.

E escrevestes a segunda regra:
"Não me endeuse, admire-me e respeite-me
como homem, falível e com limitações"
A próxima palavra a ser deletada era
"obediência cega".

E passastes a escrever a terceira regra:
"Questione sempre e tudo".
Que sentido tem o castigo, se quem o recebe
não conhece as razões?
Era chegada a vez da palavra rebeldia. E a ela
destes grande destaque.
E contruístes a escrava que se rebela
quando não recebe atenção.
E assim aprendi que falta de atenção e carinho
não são castigos, mas demonstrações
de insegurança e de imaturidade.

E veio então o arremate final. Com a palavra
liberdade, quase a ofuscar todas as outras,
terminavas a minha construção.

E pela primeira vez, questionei e rebelei-me,
como fui programada por ti a reagir.
E com a maestria do Criador... me mostraste então
a personalidade final da tua criatura.
Livre, independente, rebelde, imponente e
guerreira. Incapaz de curvar-se a quem
quer que seja.

Diante dessa visão, senti raiva e indignação
pelo resultado da tua construção... e quando tentei
reagir... deparei-me com o seu olhar firme e sereno
a me perguntar "Tem algo para me dizer?
... E de olhos baixos e alma curvada respondi...
"Não, Senhor..."
E com um sorriso vitorioso...assinastes e
destes nome a escrava construída e regida
pelos teus (e hoje nossos) princípios e desejos...

( O texto Escrava Construída foi escrito por Victoria e postado, originalmente, na lista BDSM_SP em 12 de dezembro de 2003)



segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Descendo e Subindo o Abismo

Dominação Psicológica: Descendo e Subindo o Abismo

Por Monstrinho
Texto de autoria da VacaProfana

A Dominação em si acontece quando alguém oferta seu corpo ou sua alma (mente) a vontade de outrem, em detrimento do seu próprio desejo. Nos meus primeiros passos neste vasto universo, aprendi que só se está realmente entregue quando há um vazio, uma sensação de que não há vontade. Naquele momento não lhe ocorre pedir, direcionar ou mesmo desejar que algo aconteça. É pura sensação, é pura reação. Os sons parecem distantes, as perguntas lhe parecem completamente confusas e o pensamento incoerente.

As reais percepções dos caminhos tomados aparecem depois, e até mesmo as reais sensações, é quando as marcas lhe orgulham pois trazem a carga do sucesso de ter conseguido, ter ido além, não por e através de você mas sim pela condução Dele. Neste momento, nesse momento, você é o ser mais vulnerável, você abriu mão de todas as suas defesas. Aquelas que durante a vida, nos percalços, nos “nãos” recebidos e na percepção de julgamentos alheios, você constrói. Aqui soltamos as lágrimas contidas, as palavras nunca ditas, as manifestações reais do seu ser. Ali você é você, impura, imprudente, despudorada e as vezes até agressiva.

E tem alguém ali ao seu lado puxando mais e mais, querendo ver o seu “pior”, tirando você do seu mundo tão bem construído, erguido sob sólidas condições de sobrevivência, pacífico. Alguém que te mostra o outro lado do universo, que te apresenta ao seu atrativo “circo de horrores”. Ali estão as mais diversas figuras, formas, sombras, luzes, cores, sons e odores. O assustador “parque de diversões” com todos os variado perigos atrativos. E Ele te oferece um passaporte vitalício. Mas há condições implícitas nesse tentador convite: você tem que participar de toda a festa, entrar em cada brinquedo e experimentar cada doce. Conflito entre desejo e medo.
Mas a mão que te segura, assegura: estarei ao seu lado todo o tempo, basta segurar forte na minha mão.

Então no alto da montanha russa você percebe que não devia estar li e se vê “morrendo”, “esborrachando no chão” e percebe que Ele sorri. Você o odeia, você vê o monstro. Grita com Ele mas Ele não ouve. Depois da descida o carro para. Você não tem pernas, sua voz não sai, o coração está saindo pela boca, sente frio, ânsias de vomito, frêmitos.
      Ele está ali e te toma pela mão, te abraça, te aquece, fala por ti e para ti. Diz que sua cor está voltando, o quanto está linda e perfeita. O quanto é corajosa. Você começa a sorrir novamente. Pergunta pela próxima viagem. A condução que não lhe permite voltar atrás. O momento que o não vem a mente e a boca diz sim . A certeza de que apesar de tudo você vai voltar.
(VacaProfana)
http://www.ifetiche.com.br/v1/index.php/glossario-perverso/154-dominacao-psicologica-descendo-e-subindo-o-abismo

Vida